sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Viram?


RIR é mesmo importante

Espreitaram, e encontraram a casa escura, sombria, portadas quase fechadas. Ouvia-se música e alguém ali, melancolicamente, tentava gerir recordações e muitas histórias... Muito poucos se aventuraram a entrar. Mesmo os que o fizeram, sairam logo de seguida, encostando a porta sem fazer barulho , discretamente, para não incomodar, ou para evitar dizer aquelas coisas que se dizem quando alguém está triste.
Dias depois, de mansinho, entraram de novo. A casa tinha sido arejada, o sol entrava pelas janelas escancaradas. A dona da casa apareceu a rir.
Hoje, foi bom ouvir alguém dizer-me "obrigado" por ter voltado a provocar sorrisos aqui no "Sonho".
Eu é que agradeço. A sério.
Aos que passaram discretos, aos que entraram só para dar um beijo, aos que nem se aventuraram a mostrar-se, aos que estavam só à espera que passasse a onda para rirmos juntos outra vez, e que, agora sim, também me fazem rir, OBRIGADA.
Beijinhos :)

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Uma semana diferente

Há pouco, aí em baixo, escrevi:
"Continuo a conseguir rir-me de quase tudo".
A propósito, na 6ª feira passada, propus aos meus colegas de gabinete que esta semana fosse diferente. Para isso, em cada dia, poderíamos variar:
2ª feira - falar entre nós aos gritos;
3ª feira - falar com "sotaque", por exemplo de Viseu;
4ª feira - deslocar-nos pela sala a chinelar;
5ª feira - cantar em vez de falar (com excepção para telefonemas de trabalho);
6ª feira - andar aos pulos dentro da sala, em sinal de júbilo pelo fim-de-semana que aí vem.
Ontem, 2ª feira, fiquei rouca logo ao princípio da manhã.
Hoje, como ninguém alinhou por tempo suficiente no combinado, fiz de tudo um pouco: falei com "Xxxxs" enquanto atravessava a sala aos pulos, a chinelar, e cantei aos gritos "gosto de ti até à lua e da lua até aqui" enquanto o André Sardet cantava este inaudito refrão na telefonia. Nem assim os coleguinhas se convenceram que deveríamos ter passado todo o dia a falar com sotaque.
Mas rimo-nos bastante.
Amanhã, vamos ver o que acontece. Pelo sim pelo não, vou levar uns sapatos velhos que me estejam largos, senão não consigo chinelar. Ou então levo mesmo umas havaianas. Devia era ter pensado nisto mais cedo. É que, para isso, já está imenso frio!

Coisas boas

Como já repararam, não tenho andado em boa maré... Hoje alguém me disse: nos últimos tempos, o teu blogue quase parece uma página de necrologia. Pois é. Também acho. E já há dias andava para listar aqui algumas coisas boas que, no meio de tudo isto, me têm feito perceber que, afinal, tenho imensa sorte. Aqui ficam:
1. Estou viva!
2. Tenho o meu filho outra vez em casa depois de cinco anos a quase 300 kms!
3. Ele está FELIZ no seu novo curso de Cozinha!
4. Fez 24 anos no sábado passado e almoçámos um robalo fan-tás-ti-co, mesmo em cima do mar!
5. Nasceram três bébés lindos: a Clarinha, a Caetana e a Helena. Como eu já gostava delas antes de nascerem, porque gosto muito dos pais, estou radiante no meu papel de "tia-avó"!
6. Dentro de pouco tempo, nascerão mais três: a Carolina, o Manel e o Francisco!
7. Voltou para Lisboa um amigo meu que estava há anos fora. É o Padre mais santo que conheço e não é nem um bocadinho beato. Acho que me estava a fazer alguma falta.
8. Regressou do País de Gales o meu primo Nuno, quase um ano depois de ter ido para lá.
9. Adoro os bocadinhos que passo com o meu "aluno" Filipe, às voltas com o alemão.
1o. Continuo a conseguir rir-me de quase tudo.
Fico aqui com 10 coisas para me animar. E, quem sabe, com 10 motivos para 10 novos posts. É isso! Acho que vou já começar.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Your songs








"Your Song" e "Don't let the sun go down on me", duas grandes músicas. Das maiores de Elton John, para nós, que as dançámos tantas vezes.
Tenho que parar com isto. Vou parar. ~

Mas de vez em quando, só de vez em quando, não estranhem que vá pondo aqui outras músicas de que me tenho lembrado nestes últimos dias.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

If I saw you in heaven





Would you know my name
If I saw you in heaven
Will it be the same
If I saw you in heaven
I must be strong, and carry on
Cause I know I don't belong
Here in heaven
Would you hold my hand
If I saw you in heaven
Would you help me stand
If I saw you in heaven
I'll find my way, through night and day
Cause I know I just can't stay
Here in heaven
Time can bring you down
Time can bend your knee
Time can break your heart
Have you begging please
Begging please
Beyond the door
There's peace I'm sure.
And I know there'll be no more...
Tears in heaven
Would you know my name
If I saw you in heaven
Will it be the same
If I saw you in heaven
I must be strong, and carry on
Cause I know I don't belong
Here in heaven
Cause I know I don't belong
Here in heaven

domingo, 5 de outubro de 2008

Gonçalo

Quando acabou, imaginámo-nos, daí a muitos anos, a partilhar o mesmo quarto num lar de terceira idade. No fim, poderíamos ficar juntos outra vez , conversar e rir muito, ajudar-nos um ao outro com as bengalas ou os andarilhos, e até embirrar um com o outro de vez em quando, como velhinhos que seríamos então.
As nossas vidas mudaram.
Hoje, depois de tanto sofrimento, foste embora, procurando noutro lado o que aqui não tinhas. E eu sei que vais encontrar tudo o que te faltou. Se não acreditasse que a vida não acaba aqui, teria passado a acreditar hoje mesmo. Simplesmente porque tu merecias mais.
Deus, que parecia ter-te esquecido, toma agora conta de ti. Com muito mais cuidado do que é possível a qualquer mãe ou pai, com muito mais carinho do que qualquer filho é capaz, com uma paixão bem mais forte do que qualquer mulher, amante ou namorada, por mais apaixonada que esteja. Porque embora não parecesse, Deus gosta de ti incondicionalmente, Gonçalo.
Agora, sim, meu querido, podes descansar. Estás finalmente em paz.
Até sempre, Gonçalo.